HomeEducaçãoClima: O que é, tipos, fatores, características e muito mais

Clima: O que é, tipos, fatores, características e muito mais

-

O clima pode ter diversas definições, como por exemplo, pode-se dizer que ele é o comportamento estatístico de algumas variáveis como o tempo, o vento, a chuva e a temperatura, ou tempo meteorológico médio que é determinada em localidade e tempo.

De uma maneira mais simples, o clima é um conjunto de características e fatores que acontecem em certas regiões. No Brasil, por exemplo, existe o clima do cerrado, que é bem seco no inverno e úmido no verão de forma bem definida.

Mas esse é apenas um exemplo, a característica e o que termina o clima, é um pouco mais complexo do que isso. Não se trata apenas de regiões, e nem de estações ou regiões, mas sim de estudos sobre a vida na Terra em diferentes partes.

Nos estudos de geografia, o clima era usado para debater diversos outros assuntos. Para entender variações climáticas, regiões temperadas e tropicais, entre várias outras coisas. Por isso a importância de entender como os tipos climáticos podem afetar o planeta, e até mesmo as consequências disso.

O que é clima?

O clima pode ser definido como a descrição da quantidade de mudanças na meteorologia dentro de um espaço de tempo. Nesse período, às vezes é determinado de 6 meses a milhões de anos, ou o tempo clássico de 30 anos seguindo a OMM (Organização Mundial de Meteorologia).

- Continua Depois da Publicidade -

Todas as variações que acontecem na superfície da terra, como vento, chuva e temperatura, também podem ser consideradas condições climáticas já que fazem parte do sistema global de estatísticas.

As condições do tempo são momentâneas, envolvem uma série de outros conjuntos de características que nesse caso são voltados para o que determina cada região. Por exemplo, se o tempo é de dias quentes e longos, o clima terá uma quantidade de chuva e temperatura média para essas características.

A ciência que estuda esses fenômenos é a climatologia de forma mais específica, mas na geografia também se vê muitos detalhes importantes em um aspecto mais abrangente. O estudo dos tipos de clima, e os fatores climáticos são importantes para entender os efeitos de vários fenômenos.

A climatologia só funciona com a geografia, como uma espécie de ferramenta das relações entre o ambiente e o homem. Fenômenos atmosféricos, condições climáticas e suas consequências precisam ser estudados a fundo, já que o ser humano interfere diretamente nas mudanças dessas condições.

Diferença entre clima e tempo

O clima, assim como já foi explicado, pode ser determinado pelo reunião de características dentro de uma região, durante um período de tempo. É preciso mais dados para determinar um sistema climático completo, quando se trata de histórico, mas essa pode ser a definição curta.

Já o tempo, envolve fenômenos meteorológicos, com condições atmosféricas em um período rápido, como neve, umidade, chuva, neblina, vento, e por aí vai. Quando se assiste nos jornais notícias sobre as condições do tempo, geralmente é disso que estão falando.

De uma forma resumida, o tempo trata de condições de momento, enquanto que o clima embasa sua característica em um período completo dentro de uma única região. Ligando também as características de tempo do local durante épocas específicas do ano.

Quais são os elementos do tempo?

Dentro da discussão sobre a definição de tempo dentro da climatologia, é preciso relembrar sempre que o tempo diz respeito a condições meteorológicas do momento. Por isso, existem alguns elementos que estão diretamente ligados a essas mudanças. São elas:

  1.     Pressão atmosférica

- Continua Depois da Publicidade -

Essa pressão é aquela onde o ar da atmosfera pressiona sobre a superfície. É imperceptível para os humanos, mas ela acontece de forma a provar a gravidade. Em localidades e regiões com baixa altitude, a coluna vertical do ar é maior, portanto, a pressão atmosférica também.

Já em áreas mais elevadas como as montanhas e as serras, tem uma coluna de pressão menor, consequentemente a pressão atmosférica nesses lugares também é menor. Mas não é só a altitude e a pressão atmosférica que determinam o tempo.

A densidade do ar junto com a temperatura influencia diretamente essa pressão. Em regiões de clima mais frio, as moléculas do ar são maiores, por isso, sofrem maior pressão, e quanto mais alta a temperatura, menor é a densidade das moléculas do ar e menor a pressão.

Essa variação de pressão é o que determina o responsável pelo deslocamento na horizontal, ou seja, os ventos. Os ventos fazem seu movimento seguindo a densidade e a pressão, se movendo de onde existe mais pressão para onde há menos pressão.

A medição da pressão atmosférica é feita em hPA (hectoPascais) ou em mb (milibares). E o barômetro é o instrumento usado para realizar a sua medição.

  1.     Radiação solar

Dentro da climatologia, a radiação solar é a energia que o Sol emite para a Terra. Essa emissão de energia é feita em formato de ondas, e devido a inclinação do planeta, a linha do Equador é a região que mais recebe essa radiação.

Diferente dos extremos Pólos Norte e Sul que recebem menos energia do sol, portanto, são lugares mais frios. Enquanto que as regiões mais próximas da linha do Equador são mais quentes.

  1.     Ventos

Como já explicado acima, o vento é o movimento do ar de uma região com maior pressão atmosférica, para outra região com menos pressão. É o movimento de ar, basicamente. Ele acontece de acordo com os outros fatores que determinam a pressão atmosférica. Dos lugares frios para os lugares mais quentes.

- Continua Depois da Publicidade -

Existem alguns ventos que são constantes e sopram durante o todo o ano, os chamados alísios. Já os ventos que são sazonais costumam estar localizados próximos à costa, nas monções, na linha do Equador e aparecem de tempos em tempos periodicamente.

  1.     Umidade

A umidade do ar diz respeito sobre a quantidade de água que está presente ali naquele espaço em forma de vapor solto pela atmosfera. Existem exceções, mas os locais onde a temperatura é mais quente costuma ser mais úmido, enquanto que lugares frios são mais secos.

  1.     Temperatura

Dentre todos os parâmetros meteorológicos esse é o mais fácil de identificar e perceptível para as pessoas. A temperatura consegue determinar o clima em diversas regiões do planeta, apenas por estar mais frio ou mais calor. Sem precisar levar em consideração a altitude, a proximidade do Equador, ou qualquer sistema meteorológico.

A variação das temperaturas acaba sendo bem evidente e é possível sentir. Em casos de altitude sabe-se que quanto mais alto, mais frio, portanto menor a temperatura.

Quais são os fatores do clima?

O clima é determinado de acordo com os elementos e características que influenciam a região durante um período de tempo. Portanto, também existem fatores essenciais que determinam as condições meteorológicas. São elas:

  1.     Latitude

A latitude é uma característica extremamente importante para determinar o clima. A latitude mostra a inclinação da terra, e essa relação é a forma como a terra orbita ao redor do Sol. Com isso, a radiação afeta as partes do planeta que se encontram em latitudes diferentes, de formas diferentes.

Essas diferenças, são o que causam variações de temperaturas em regiões diferentes da Terra, e com isso, o que está mais próximo do Equador, tem maior latitude e por isso recebe mais calor e tem temperatura mais quente.

Já quando a latitude está mais longe da região do Equador, fica mais longe da órbita, portanto, tem temperaturas mais frias por receber menos radiação solar. A temperatura de acordo com a latitude é essencial para a vida no planeta, assim como as zonas climáticas, que são divididas entre temperada, tropical e polar.

  1.     Altitude

Os pontos de altitude, dizem sobre o deslocamento de um ponto mais alto a outros. Quanto mais alto, mais rarefeito é o ar, e com isso, o número de partículas presentes naquele espaço é menor e tem menos capacidade de reter calor.

Portanto, quanto maior é a altitude, mais frio, mais baixa a temperatura, e quanto mais baixa a altitude, mais quente, pois as temperaturas são mais altas.

  1.     Vegetação

Pode parecer que não, mas a vegetação está totalmente ligada ao clima daquela região. São as massas vegetacionais que absorvem boa parte da radiação de uma maneira eficaz, rebatendo seus efeitos. Com isso, acontece a evaporação da água.

As plantas participam do processo de evapotranspiração, que faz com que a umidade suba e se transforme em chuva. Quando se estuda as regiões mais secas, é possível perceber que há falta de vegetação, assim como nos desertos.

Isso acontece devido ao clima quente durante o dia, e as temperaturas baixíssimas durante a noite. E essa variação brusca de temperatura reforça os climas, assim como a escassez de vegetação também.

  1.     Continentalidade e maritimidade

Essas duas características estão voltadas para o mar, e ambas também dizem muito sobre as características do clima. São fatores que falam sobre a continentalidade e como a massa continental, pode afetar o clima.

Quando a massa continental se encontra mais longe do litoral, maior é a influência sobre o clima. Mas quando eles se encontram próximos, a maritimidade e a definição do clima é mais influenciada.

Essa distância interfere de maneira direta sobre as condições do clima. Isso quer dizer que quando o solo esfria e baixa a temperatura muito rápido mais do que as massas de água, a amplitude térmica acaba sendo maior do que em outros locais com menos acesso ao oceano.

  1.    Correntes marítimas

Responsável por alterar as temperaturas nos oceanos, as correntes marítimas acontecem de forma natural. São fundamentais para a evaporação do mar e para manter o mar aquecido em determinadas regiões e mais frios em outras.

Nos locais onde há maior evaporação, são onde existem as correntes marítimas quentes. Onde se formam mais nuvens, e consequentemente níveis de chuvas maiores, quando o vento do continente sopra.

  1.     Relevo

Também tem influência direta no clima. O relevo são os grandes obstáculos presentes na superfície da terra, como as montanhas. Podem ser considerados fatores de precipitação, de inibição e dependendo de onde é localizado, até impede os ventos.

As planícies, os lagos, os rios, e as demais regiões que possuem suas respectivas características de relevo, exercem influência direta com as condições climáticas.

  1.     Massas de ar

Ligadas diretamente a circulação atmosférica, são as massas de ar as responsáveis pelos fenômenos em grande proporção. Elas conseguem carregar características de movimentação constante, que geram enormes consequências, eventos.

Por exemplo, ao pensar nas massas polares, as baixas temperaturas são identificadas rapidamente, mas quando se fala de massas de ar quente, o que se resulta disso, são as chuvas.

Fenômenos climáticos

Cada aspecto e cada fator determina uma característica diferente que se encaixa dentro do que é clima ou do que é tempo no planeta Terra. Mas tudo está ligado de alguma forma, e funcionam juntos.

Além disso, também existem outros aspectos com os elementos meteorológicos, que possuem influência por conta própria, interagindo e causando verdadeiros eventos climáticos, são os chamados fenômenos climáticos. São eles:

  1.     Chuvas ácidas

Essa característica da chuva é natural. Mas esse tipo de fenômeno, considerado natural, tem um resultado de interferência humana bastante considerável. O que torna a chuva ácida, são os excessos de gases fósseis soltos na atmosfera, junto de uma alta concentração de enxofre, gás carbônico, ácido sulfúrico e óxidos de nitrogênio.

Toda essa mistura junto com a evapotranspiração da água nas nuvens, formam a chuva ácida, que ao cair no solo, pode prejudicar aquíferos, plantações e o próprio solo.

  1.     Ilhas de calor

A temperatura elevada em centros urbanos enormes, que formam um tipo de ilha quente, acaba sendo rodeada de pequenas regiões mais frias. Isso acontece graças a um fenômeno climático chamado de inversão térmica.

Essa inversão térmica causada por uma ação antrópica, tem forte influência no clima da região, e do local em específico.

  1.     Efeito estufa

Assim como outros fenômenos, o efeito estufa também é um tipo de processo natural que acontece com as camadas da atmosfera da terra. É o sistema que o que calor, através da radiação solar entre na atmosfera terrestre, reflete aquecendo o planeta e devolve parte dessa radiação ao espaço.

Parte desse calor que permanece, é o suficiente para gerar toda a vida que se conhece na terra. É fundamental para a manutenção da terra. O efeito estufa, portanto, é fundamental, mas ele tem se intensificado graças à ação do homem.

A queima de muitos combustíveis fósseis, poluição entre outros gases soldados gradativamente no ar, vêm prejudicando essa devolução de calor da radiação solar para o espaço. E com isso, a temperatura da terra tem se elevado a cada ano.

  1.     Inversão térmica

Como dito na ilha do calor, a inversão térmica acontece através da industrialização. Os centros urbanos vão se expandindo, crescendo cada vez mais, e assim um bloqueio de ar frio é formado, impedindo a circulação.

Em consequência disso, muitas camadas densas de ar quente vão se formando, formando a ilha de calor, e o resultado disso é o próprio crescimento da urbanização. O excesso de poluentes concentrados em um só lugar, consegue elevar as temperaturas, em determinadas épocas do ano, invertendo completamente em outras épocas.

Isso pode acarretar em diversos problemas, principalmente quando se trata de baixa circulação de ar.

  1.     El Niño e La Niña

Estes fenômenos naturais estão ligados às temperaturas da água do Oceano Pacífico, que fica próximo ao Equador. Responsável por diminuir os ventos alísios, o fenômeno El Niño, promove o aquecimento da água entre 3 e 7 °C. Isso acontece apenas na parte superficial da água, onde não há muito movimento.

Na América do Sul, elevação de temperatura na água do oceano pode acarretar em uma série de condições climáticas catastróficas. Sobre o fenômeno La Niña, provoca o resfriamento das águas que de uma certa maneira é o posto do outro fenômeno.

Quais são os tipos de clima?

Os fatores climáticos, junto da influência do tempo, entre vários outros elementos meteorológicos são responsáveis por criar o clima para diferentes regiões, no mundo todo. Cada lugar, possui suas próprias características, podendo ser influenciado ou não pela região ou localização.

Veja abaixo, quais são os tipos de clima:

  1.     Clima temperado

Localizado próximos aos trópicos no planeta, o clima temperado é aquele oceânico, ou continental, que fica próximo ao litoral e no interior das massas do continente, respectivamente.

As características do clima temperado variam de acordo com as estações do ano, que são bem definidas entre si. Portanto inverno faz frio, verão faz calor e assim por diante. Com exceção do que se encontra no meio dos continentes, os períodos pluviais também são bem divididos com o decorrer dos meses.

  1.     Clima tropical

Já o clima tropical fica localizado no meio dos trópicos que caracterizam o clima temperado. Mas nesse caso fica no meio, entre os dois, o trópico de Capricórnio e o trópico de Câncer. Essa região possui uma baixa amplitude térmica, o que indica que é uma região com uma média de temperatura alta, e quase sempre estável.

A falta de variação de temperatura, costuma manter o nível e o volume pluvial alto, mas pode diminuir dependendo da região do continente em que se encontra. Dentro de suas variações de clima, o tropical varia entre árido, semiárido, monções e úmido-seco.

  1.     Clima subtropical

A transição entre os climas temperados e tropicais é chamada de subtropical. Nessa região do planeta, as temperaturas não sobem mais do que 18°C, e possui uma ótima distribuição das chuvas ao longo dos meses.

A principal característica desse tipo de clima, é que ele é marcado basicamente pela quantidade de chuva ao longo das estações, o que marca muito bem a mudança delas. É possível observar que na grande maioria das vezes, os verões são mais úmidos e quentes, enquanto que o inverno é mais seco e frio.

  1.     Clima semiárido

Essa característica de clima se divide em vários lugares do planeta, estando presente em praticamente todos os continentes. O semiárido é representado pela baixa quantidade de chuva e pelas temperaturas elevadas.

Os níveis de precipitação são tão baixos, que quase nunca ultrapassam os 500 mm ao ano. Sem contar que a umidade do local também fica prejudicada. São regiões onde as vegetações são escassas, já que não há umidade no ar para plantar árvores e elas se sustentam sozinhas.

  1.     Clima equatorial

Presente nas regiões próximas ao Equador, o clima equatorial fica em uma região que recebe muita radiação solar, já que tem a latitude mais elevada. Com isso, tem como principal característica alta umidade e temperatura.

Sem contar na presença de muitas florestas enormes, devido à grande quantidade de evapotranspiração, e alto volume dos níveis pluviais. Nessas regiões costuma chover o ano todo, e por isso são regiões bastante úmidas e de volume de chuva extremamente expressivo.

  1.     Clima mediterrâneo

Presente próximo do mar mediterrâneo, é o clima que tem como principal característica, o clima seco, quente, com baixos volumes de chuva e inverno com temperaturas bem amenas. É uma região que possui ótimo clima para o plantio, como Chile, Califórnia e Austrália.

Além disso, é caracterizada pela presença de grandes árvores em alguns lugares ainda preservados. O clima mediterrâneo apesar de seco em algumas épocas do ano, conseguem manter a riqueza da flora intacta.

Climas do Brasil

O Brasil é tão grande que em seu território existem pelo menos 4 tipos de climas diferentes, cada um cortando uma região diferente. Os climas são definidos com os trópicos que contam a região sul do país e a linha do Equador que corta a região norte.

Todas as variações climáticas que já aconteceram com o Brasil, promovem uma riqueza de espécies e climas diferente de outros países. Levando em consideração os tipos de climas e as características que foram citadas, o Brasil possui as seguintes qualidades:

  •         Clima tropical: localizada em grande parte do território do país, principalmente nas regiões centrais;
  •         Clima subtropical: localizado na região sul do país;
  •         Clima semiárido: é caracterizado pela região nordeste do Brasil, o sertão;
  •         E o clima equatorial: localizado no Norte, principalmente nos estados do Amazonas.

Além desses quatro climas que foram descritos com suas características neste artigo, no Brasil ainda existem variações do clima tropical, como é o caso do clima tropical de altitude, e do tropical atlântico.

O clima tropical de altitude, tem como principais regiões, os locais mais altos no Brasil, como a capital de Minas Gerais, por exemplo, Belo Horizonte. Já o clima tropical atlântico, tem como características um clima úmido, que percorre todo o litoral do país, marcado por temperaturas altas e chuvas muito fortes.

Dentro da geografia, o clima se mantém um dos assuntos mais importantes para conseguir entender diversos outros assuntos que também são abordados na matéria. Além disso, a climatologia exerce grande influência sobre as forças da natureza, responsável por praticamente tudo que é vivo na Terra.

Qual a diferença entre climatologia e meteorologia?

Essas são duas áreas das ciências que embora pareçam semelhantes, possuem algumas diferenças. Em termos relativos à climatologia, estuda o clima das regiões, calcula o histórico e determina a qual fenômeno atmosférico aquela região pode sofrer no longo e médio prazo.

Já a meteorologia estuda o tempo, os fenômenos que acontecem de forma espontânea e imediata, mas que podem não acontecer de novo. Embora sejam matérias e profissões muito semelhantes, elas estudam fatores e características muito diferentes.

Dentro da climatologia, é preciso estudar pelo menos 10 anos de tempo de uma determinada região para avaliar o clima do local. Além disso, é possível aplicar essas avaliações tanto para o futuro quanto para o passado. Conseguir investir como era o clima a 50 anos, é fundamental para identificar o que estamos fazendo que prejudica o planeta para corrigir.

As duas áreas possuem campo acadêmico, sendo a meteorologia muito ligada à física, enquanto que a climatologia envolve mais a geografia. O profissional da área de meteorologia estuda a atmosfera, fenômenos naturais, variações climáticas, e precisa ser um bom pesquisador para coletar dados e avaliar, criando previsões do que pode acontecer nos próximos dias.

Já quem é climatologista, estuda os fenômenos climáticos que acontecem em um período de tempo em uma região específica. Além disso, essas classificações de clima são determinadas em várias partes do mundo, mesmo tendo interferência humana.

Ambas as áreas possuem sua importância, mas a climatologia fala muito mais sobre como as atividades humanas vêm impactando o clima do planeta ao longo dos anos. Além disso, também consegue elaborar estudos para melhorar técnicas de plantio, que favoreçam a agricultura.

Com os avanços das tecnologias, hoje em dia é mais fácil prever qualquer tipo de fenômeno climático, com o auxílio de satélites e softwares poderosos que processam todos os dados e informações que são coletados.

Além disso, as mudanças climáticas que já estão acontecendo nos últimos anos, como o aquecimento global, derretimento das calotas polares, foram observações feitas por climatologistas.

Essa área pertence às ciências, e estuda o clima como uma das funções mais importantes de se ter para montar cenários e prever ações mitigatórias e de recuperação de áreas degradadas pela ação predatória do homem.

Enquanto que a meteorologia também está em constante desenvolvimento. A área se baseia na prevenção de eventos de curto prazo, o que pode ser ótimo para pessoas que gostam de ciências e de trabalhar com previsão climática.

VEJA TAMBÉM: Temperatura: acompanhe a previsão do tempo em 5 minutos

 

Deixe seu Comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Talvez Você se Interesse

- Publicidade -