HomeSaúdeAnsiedade: quando se torna grave e principais sintomas

Ansiedade: quando se torna grave e principais sintomas

-

Tabela de Conteúdo Ocultar Índice

O que é ansiedade?

Ansiedade é um sentimento consideravelmente comum. Afinal de contas, quase todo mundo se sente ansioso antes de uma entrevista de emprego ou cirurgia médica, por exemplo. 

No geral, esse é um sentimento normal e não categoriza nenhum tipo de distúrbio de saúde mental. Porém, quando ele aparece em conjunto com sintomas físicos e uma preocupação excessiva que não desaparece em poucas horas, é melhor ficar atento. 

Isso porque a ansiedade intensificada por se tornar um transtorno de ansiedade generalizada e, inclusive, evoluir para crises de pânico ou transtorno obsessivo compulsivo (TOC). 

Dessa forma, a qualquer sinal de preocupação extrema e constante que não desaparece com o passar das horas, um médico deverá ser consultado. E, neste caso, o único profissional que poderá fazer esse diagnóstico é o psiquiatra.

Entretanto, outros profissionais de saúde podem auxiliar no reconhecimento dos sintomas e encaminhar o paciente para uma consulta com o profissional de saúde mental adequado para diagnosticar e prescrever o melhor tratamento.  

- Continua Depois da Publicidade -

Neste artigo falaremos sobre os principais sintomas do Transtorno de Ansiedade, quando esse sentimento se torna patológico, os perigos da doença não tratada e muito mais. Confira!

Transtorno de ansiedade

O transtorno de ansiedade é considerado o mal do século e uma das doenças mais incômodas dessa geração. Para se ter uma ideia, segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, cerca de 265 milhões de pessoas sofrem com esse transtorno no mundo. 

Contudo, na realidade esse número tende a ser muito maior, já que só leva em conta os casos diagnosticados, visto que muitas pessoas convivem com a doença psiquiátrica sem procurar ajuda médica. 

Além disso, o Brasil é um dos países líderes no ranking da OMS por contar com 9,3% da população com transtorno de ansiedade. Porém, é necessário compreender as diferenças entre o distúrbio de saúde mental e o sentimento comum que não representa demais problemas. 

Ansiedade comum 

A maioria das pessoas já experimentou o sentimento de ansiedade comum. Geralmente, ele acontece antes de uma entrevista de emprego, um encontro importante, ou de uma cirurgia, por exemplo. 

Neste caso, alguns indivíduos podem até sentir dificuldades em dormir, um dia antes do compromisso esperado. Porém, nesses casos o sentimento é normal e, geralmente, passa após a atividade ser concluída.

Além disso, apesar de poder representar uma certa dificuldade de concentração e sono, além do sentimento de preocupação, não passa disso e não representa demais sintomas físicos. 

Quando se torna um problema

Já o transtorno de ansiedade apresenta algumas características diferentes e pode interferir no dia a dia do indivíduo. Neste caso, as pessoas que sofrem da doença psiquiátrica podem apresentar diversos sintomas físicos, emocionais e psicológicos. 

- Continua Depois da Publicidade -

Neste caso o indivíduo não consegue relaxar e toda e qualquer situação pode ocasionar preocupação excessiva. Esses momentos de preocupação excessiva são considerados como uma crise de ansiedade.

Além disso, geralmente os sentimentos excessivos são desproporcionais às situações que os causaram, o que é um dos sinais de que o indivíduo possa ter sofrido uma crise decorrente do distúrbio de saúde mental.

Para algumas pessoas o transtorno de ansiedade pode ser confundido com estresse, nervosismo ou ansiedade comum por muito tempo. Porém, a falta de tratamento pode agravar os sintomas da doença. 

O que causa o transtorno de ansiedade

Os motivos que levam a pessoa a desencadear crises de ansiedade são relativos a cada indivíduo. Assim como todo o distúrbio de saúde mental, cada pessoa encara uma determinada situação de uma maneira diferente. 

Dessa forma, duas pessoas podem passar pela mesma situação e, apenas uma delas, desencadear o transtorno de ansiedade. Sendo assim, ele pode ser desencadeado por uma série de fatores. 

Fatores que podem desencadear ansiedade 

Existem alguns fatores que podem contribuir para o transtorno de ansiedade. Contudo, vale lembrar que os motivos pelos quais a pessoa desenvolve o transtorno psiquiátrico varia de indivíduo para indivíduo.  

Conheça a seguir alguns dos principais fatores conhecidos que podem auxiliar no surgimento do distúrbio de saúde mental. 

  • Desequilíbrio químico no cérebro;
  • Problemas no ambiente familiar, principalmente durante a infância; 
  • Traumas e exposição a situações traumáticas;
  • Insônia recorrente gerando privação de sono;
  • Estresse, que acaba favorecendo o desequilíbrio químico do cérebro. 

Além disso, algumas pessoas ainda podem apresentar gatilhos específicos para desencadear a crise e fatores como abuso de drogas, sedentarismo e falta de lazer também podem resultar nas manifestações do transtorno.

Crises de ansiedade sintomas

- Continua Depois da Publicidade -

ansiedade

Diferentemente dos sintomas de ansiedade comum, o transtorno de ansiedade apresenta diferentes sintomas físicos, emocionais e psicológicos que podem, inclusive, atrapalhar o convívio do indivíduo em sociedade. 

Conheça os principais sintomas do transtorno de ansiedade e como eles se manifestam a seguir. 

Medo ou preocupação excessiva 

Um dos principais sintomas do transtorno de ansiedade é o sentimento de medo, real ou irreal e a sensação de preocupação excessiva. Geralmente, esses sentimentos são desproporcionais à situação que os causou. 

Inclusive, uma pessoa com transtorno de ansiedade pode ter esses sentimentos sem ter nenhuma situação aparente. Dessa forma, o sintoma pode surgir literalmente do nada e durar horas, dias ou semanas. 

Ataque cardíaco ou ansiedade? 

Um dos sintomas do transtorno de ansiedade é sentir um parto no peito, em conjunto com uma dificuldade em respeitar. Nessas situações, a sensação de aperto é tão intensa que algumas pessoas acreditam que estão sofrendo um ataque cardíaco. 

Em alguns casos, a crise de ansiedade realmente desencadeia arritmias cardíacas decorrentes do medo excessivo, que embora não seja de perigo iminente, o corpo considera que sim. 

Sensação de que vai perder o controle 

Outro sintoma comum durante uma crise de ansiedade é a sensação de perda de controle, ou de que irá enlouquecer a qualquer momento. Neste caso, algumas pessoas podem se imaginar gritando ou tendo reações inesperadas que assustem os outros ao redor. 

Esse sentimento está diretamente ligado a sensação de medo excessivo e pode demorar para passar. Dessa forma, a antecipação do medo de que algo aconteça pode gerar esse sintoma. 

Despersonalização 

A despersonalização é um sintoma recorrente em diversos transtornos de saúde mental como, por exemplo, TDI – Transtorno de Identidade e TAG –  Transtorno de Ansiedade Generalizada. 

Esse sintoma significa um sentimento de que o indivíduo é um observador externo da própria vida, como se saísse do próprio corpo. Dessa forma, geralmente se inicia um sentimento de impotência e desespero. 

Embora a pessoa não esteja, de fato, fora de seu corpo, a sensação é de que tudo está desconectado. Além disso, pode haver o sentimento de que a realidade não seja real e que a pessoa esteja imersa em um sonho. 

Pensamentos obsessivos 

Um dos sintomas do  transtorno de ansiedade é o surgimento de pensamentos obsessivos. Nesse caso os pensamentos podem aparecer como visões violentas, alertas, ou repetições de frases, críticas e julgamentos. 

Nesse caso, esses pensamentos podem ocasionar muito sofrimento ao indivíduo com crise de ansiedade. Além disso, é comum que esses pensamentos assustem ainda mais a pessoa em crise. 

Em alguns casos, esses episódios podem apresentar ideias e situações que são inaceitáveis para o indivíduo, fazendo com que ele tema que a repetição dos pensamentos o faça tomar alguma atitude que não queira. 

Porém, é importante frisar que as pessoas com transtorno de ansiedade não são insanas e possuem suas faculdades mentais. Dessa forma, apesar do medo crescente de perder o controle, geralmente isso não acontece. 

Sintomas físicos da ansiedade 

O transtorno de ansiedade pode desencadear diversos sintomas físicos, além da sensação de aperto no peito. Isso acontece por conta dos químicos liberados no cérebro que, durante uma crise, entende que a pessoa está em situação de perigo. 

  • Aperto e dores no peito;
  • Falta de ar e dificuldades para respirar; 
  • Vômitos e enjoos;
  • Enxaquecas;
  • tremor involuntário;
  • Agitação nas pernas e braços;
  • Boca seca e paladar sensível;
  • Tonturas, vertigem e sensação de desmaio;
  • Tensão muscular e dores nas costas;

Além disso, as pessoas em crise de ansiedade podem apresentar alguns sintomas emocionais como nervosismo, falta de paciência, estresse, choro incontrolável e falta de concentração. 

Tenho ansiedade? Como saber?

Ao se deparar com alguns sintomas do transtorno de ansiedade, algumas pessoas podem ficar em dúvida a respeito da possibilidade de possuir o distúrbio de saúde mental. Dessa forma, procuram testes online, informações na internet e deduzem por si mesmos. 

É importante frisar que apenas o psiquiatra está apto para fazer o diagnóstico da doença, bem como prescrever remédios e tratamentos. Porém, o tratamento é feito com diferentes profissionais como endocrinologistas e psicólogos.

Endocrinologistas 

O endocrinologista irá investigar as questões hormonais para identificar se existe um desequilíbrio que possa intensificar os sentimentos e sintomas decorrentes da ansiedade que o paciente esteja sentindo. 

Para que o psiquiatra considere o tratamento com medicação será necessário excluir todas as possibilidades, além do distúrbio de saúde mental, que possam estar causando os sintomas de ansiedade.

Psicólogos no transtorno de ansiedade

Já o Psicólogo irá ajudar o indivíduo a reconhecer seus gatilhos, compreender as causas por trás do transtorno e como se comportar durante as atividades estressantes ou gatilhos do distúrbio presentes no dia a dia. 

Em alguns casos a descoberta da doença acontece por parte do psicólogo que encaminha ao psiquiatra para averiguar e diagnosticar com clareza. Por isso, a terapia é extremamente importante. 

Demais profissionais 

Caso o psiquiatra ache necessário, poderá solicitar outros exames com outros profissionais. Isso porque, se faz necessário descartar quaisquer outros fatores que possam causar os sintomas da doença. 

O primeiro passo é identificar se os sintomas de ansiedade atrapalham o dia a dia do indivíduo e qual a frequência das crises de ansiedade. Em caso de suspeita, um médico deverá ser consultado. 

Quais são os 3 tipos de ansiedade?

A ansiedade conta com diferentes modalidades que apresentam suas próprias particularidades nos sintomas. Dessa forma, é categorizada em diferentes tipos: Transtorno de Estresse Pós Traumático, Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno Obsessivo Compulsivo. 

Conheça cada uma dessas modalidades e como cada uma se manifesta e influencia a vida do indivíduo. Confira!

TAG – Transtorno de Ansiedade Generalizada

O transtorno de ansiedade generalizada é o distúrbio de saúde mental que categoriza o medo excessivo e os pensamentos recorrentes. Neste caso o indivíduo sente dificuldades em silenciar a própria mente que nunca para. 

Muitas pessoas podem confundir a doença com traços de uma personalidade forte ou estresse do dia a dia. Em geral, a Tag se refere a um mal estar que demora para passar. 

Sintomas TAG

Esse tipo de ansiedade possui alguns sintomas. Além disso, basta que o paciente sinta, pelo menos, três dos itens citados para que seja necessário procurar um médico. Confira!

  • Mente que não desliga, pensamentos amontoados um em cima do outro;
  • Inquietude ou sentimento de estar ativo demais;
  • Dificuldade de memorização ou concentração;
  • Enxaquecas acompanhadas de irritabilidade;
  • Dificuldades para dormir, insônia ou distúrbios do sono.

Além disso, aqueles que possuem o Transtorno de Ansiedade Generalizada costumam se sentir impotentes, com uma mente cheia de tarefas e pouca energia para se levantar e fazer o que deve ser feito. 

Dessa forma, ficam se cobrando incessantemente sem conseguir dar o primeiro passo. Por isso, esse tipo de ansiedade pode ser atrelado, com o tempo, a episódios depressivos. 

TOC- Transtorno Obsessivo Compulsivo

Outro tipo de ansiedade é o transtorno obsessivo compulsivo, mais conhecido como TOC. Esse distúrbio de saúde mental vem acompanhado de muita culpa, geralmente as crises vêm acompanhadas de sentimentos ruins. 

O primeiro sinal de TOC é decorrente dos pensamentos obsessivos que insistem em uma ideia, e, por mais que o indivíduo saiba que aquela ideia não faz sentido, para se sentir melhor, precisa tomar uma providência quanto a isso. 

Um exemplo disso é a necessidade de trancar a porta. Dessa forma, inicialmente a vontade de trancar a porta surge como uma ideia e, por mais que a pessoa saiba que está trancada, para se livrar dos pensamentos ruins referente a assaltos ou roubos, por exemplo, se levanta e vai trancar a porta novamente. 

Sintomas de TOC 

Esse tipo de ansiedade possui sintomas específicos que se separam em dois grupos: as obsessões (pensamentos) e as compulsões (comportamento). O indivíduo pode possuir os sintomas dos dois grupos ou apenas de um só. 

No caso da ansiedade, geralmente o distúrbio vem acompanhado das obsessões. Isso significa que a pessoa acometida da doença possui pensamentos insistentes sobre germes, sujeiras, perigos e conta com dúvidas da qual precisa ter certeza. 

Neste caso, é comum pensar que deixou a porta aberta e ir conferir se está trancada, mesmo sabendo que trancou. Após conferir, os pensamentos desaparecem e não é necessário conferir mais vezes. 

Já no que diz respeito às compulsões, os indivíduos precisam criar rituais para se sentirem bem e acalmarem os pensamentos negativos. No exemplo da porta, teria que trancar 5 vezes, por exemplo.

TEPT- Transtorno de Estresse Pós Traumático 

O transtorno de estresse pós-traumático é o tipo de ansiedade que acontece decorrente de um trauma ou evento traumático. Nesse caso, os sintomas se manifestam através da lembrança do ocorrido, sensação de medo e pensamentos negativos. 

Nesse caso a pessoa sente diversos sintomas físicos e emocionais que geram muita angústia. Por isso, faz parte do conjunto de distúrbios de saúde mental categorizados pela ansiedade. 

A doença pode surgir a partir de diferentes tipos de trauma e varia de pessoa para pessoa. Sendo assim, pode ser decorrente ao bullying na escola, acidente de carro, episódio traumático e muito mais. 

Sintomas TEPT

O TEPT- Transtorno de Estresse Pós Traumático apresenta alguns sintomas específicos. Dessa forma, esse tipo de ansiedade conta com singularidades e é uma das mais comuns no Brasil. 

Para se ter uma ideia, segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, cerca de mais de 1,5 milhões de brasileiros contam essa modalidade do transtorno de ansiedade. Confira os sintomas a seguir. 

  • Reviver a experiência traumática: memórias do acontecimento traumático;
  • Isolamento social : geralmente para se esquivar da oportunidade de reviver o trauma;
  • Episódios de pânico: geralmente acompanhados de sintomas físicos e emocionais como medo de morrer, taquicardia, insônia, irritabilidade, episódios de fuga e falta de concentração;

Além disso, pessoas com TEPT podem apresentar extrema negatividade e falta de perspectiva. Dessa forma podem desenvolver alguns episódios depressivos em conjunto com a ansiedade. 

Outros derivados da ansiedade 

Além desses três tipos de ansiedade, o transtorno ainda conta com mais uma modalidade que é a fobia social. Esse é um dos transtornos mais comuns e se refere a experiência em se expor publicamente. 

Nesse caso, as pessoas que sofrem com essa fobia sentem muita ansiedade ao falar em público, fazer apresentações, etc. Dessa forma, temem que possam ser humilhados diante de outras pessoas ou sofrerem maus julgamentos. 

Por isso, muitos indivíduos que são acometidos por esse tipo de ansiedade se isolam e evitam, ao máximo, o contato social. Essa fobia pode chegar ao ponto de privar que a pessoa saia de casa.  

Nesse caso, a ansiedade ao se expor publicamente ou interagir em meio a um grupo de pessoas vem acompanhada de diferentes sintomas físicos como enjoo, vômito, dores de cabeça, taquicardia, sudorese, tremores e falta de ar. 

Quando a ansiedade se torna grave?

ansiedade

É importante frisar que o sentimento de ansiedade, quando apresenta sintomas físicos, em qualquer escala, deve ser avaliado por um profissional. Isso porque, mesmo que a pessoa considere irrelevante, a longo prazo pode se intensificar. 

Porém, de qualquer forma, quando a ansiedade passa a interferir no dia a dia e atrapalhar a tranquilidade do indivíduo, se torna grave. Confira alguns sintomas de que a ansiedade é grave, a seguir. 

Vem acompanhada de sintomas físicos 

Um dos principais fatores que podem considerar uma ansiedade grave, é quando ela vem acompanhada de alguns sintomas físicos. Neste caso, para de ser apenas um sentimento e se torna um distúrbio. 

Sendo assim, as pessoas que sofrem crises de ansiedade acompanhadas de tontura, enjoos, vômitos, dores de cabeça, tremedeira, sensação de aperto ou dores no peito, taquicardia e falta de ar, devem procurar um médico. 

Atrapalha o dia a dia 

Outro fato a se considerar referente a gravidade do sentimento de ansiedade, é quando isso atrapalha o dia a dia. Dessa forma, as pessoas com ansiedade podem sofrer com crises frequentes e que geram mal estar. 

Neste caso, pode haver crises de choro e dificuldades de se relacionar em público, já que sente um medo e preocupação excessivas. Dessa forma, se a ansiedade atrapalha o dia a dia, é preciso procurar um especialista.

Se torna um empecilho

Para algumas pessoas a ansiedade se transforma em um empecilho. Dessa forma, atrapalha nas atividades e responsabilidades do dia a dia e faz com que o indivíduo não consiga cumprir com suas obrigações. 

Crises de ansiedade que impedem a pessoa de ir trabalhar, sair de casa, encontrar com amigos e familiares, ou, inclusive, interfere diretamente no relacionamento amoroso ou familiar. Neste caso é uma ansiedade grave e é preciso procurar um médico. 

Causa dor e sofrimento 

Um dos piores efeitos colaterais do transtorno de ansiedade se refere ao sentimento de dor e sofrimento em que os indivíduos são acometidos. Isso porque as sensações e sentimentos são exagerados e realistas. 

Dessa forma, pessoas com crise de ansiedade costumam de acessos de choro, desespero, falta de perspectiva e desamparo. Nesse caso se faz necessário o contato com um especialista. 

Tratamento do Transtorno de Ansiedade

Após o diagnóstico do transtorno de ansiedade, o médico responsável irá indicar as melhores formas de tratamento para auxiliar na diminuição da frequência das crises, dos sintomas e favorecer uma vida mais saudável. 

Neste caso, o tratamento pode ser feito de diversas formas, as principais são através de medicação e acompanhamento psicológico. Neste caso é comum que os médicos indiquem a junção desses dois métodos. 

Além disso, algumas pessoas ainda podem buscar meios alternativos para ampliar os efeitos do tratamento clínico. Entenda melhor a seguir. 

Tratamento com medicação 

Existem alguns remédios que podem auxiliar no tratamento do transtorno de ansiedade reduzindo a frequência e intensidade dos episódios de crise e dos sintomas do distúrbio de saúde mental. 

Em sua grande maioria precisam de prescrição médica, pois são remédios de uso controlado. Dessa forma, é extremamente necessário seguir as instruções do médico responsável pelo tratamento. 

Além disso, a parte mais complicada da medicação para a ansiedade é na hora de acertar a dose. Isso porque os remédios contam com diversos efeitos colaterais e a adaptação pode ser um pouco complicada. 

Porém, no geral, apresentam bons resultado a longo prazo. Para isso é necessário o acompanhamento frequente com o médico e a paciência para aguardar os efeitos positivos que começam a aparecer entre 15 e 30 dias de medicação.

Tratamento psicológico 

O acompanhamento com um psicólogo é extremamente importante e eficaz para o tratamento do transtorno de ansiedade. Por isso, descartar a terapia não é uma boa opção na hora de procurar ajuda. 

Através do acompanhamento psicológico o indivíduo pode compreender melhor seus gatilhos, os eventos traumáticos que passou, lidar com o sentimento de culpa e diversos outros sintomas. 

Além disso, a terapia nos ajuda a nos compreender melhor e a lidar melhor com nossos próprios sentimentos. Dessa forma, é benéfica para toda e qualquer situação, seja ela patológica ou não. 

Tratamentos alternativos 

Outro meio de auxiliar com o tratamento do transtorno de ansiedade é através de meios alternativos. Um deles, por exemplo, é a meditação que ajuda a acalmar a mente e o corpo diminuindo diversos sintomas da doença. 

Outras pessoas utilizam momentos de lazer, música, incensos, orações, e muito mais na tentativa de melhorar o tratamento. Toda crença e atitude é válida na hora de otimizar os efeitos obtidos através dos meios clínicos. 

Porém, é importante frisar que os meios alternativos não substituem a consulta médica ou o tratamento clínico. Eles servem apenas para otimizar, não para substituir. Neste caso é importante fazer uma junção das terapias convencionais e alternativas. 

Mudanças de hábitos 

Outro fator importante para o tratamento do transtorno de ansiedade é a mudança de hábitos. Isso porque algumas atividades podem contribuir para a deflagração dos sintomas da doença. 

Alcoolismo e sedentarismo, por exemplo, são fatores que podem intensificar as crises de ansiedade e atrapalhar o tratamento clínico. Neste caso, uma mudança de hábitos será necessária para a obtenção de bons resultados. 

Fazer atividades físicas é uma boa ideia. Não se faz necessário ir à academia 7 vezes por semana. Dessa forma, uma caminhada de 30 minutos por dia já pode apresentar bons resultados para a saúde mental, emocional e física. 

Ansiedade não tratada 

ansiedade

O transtorno de ansiedade, quando não tratado, pode evoluir para outros quadros de distúrbios de saúde mental. Além disso, a tendência é de que as crises fiquem mais frequentes e os sintomas mais fortes. 

Por isso, é extremamente importante consultar um médico sobre os primeiros sintomas de mal estar decorrente da ansiedade. Se o sentimento de preocupação e medo excessivos não passarem no decorrer de algumas horas, um médico deverá ser consultado. 

Conheça algumas das consequências do não tratamento do transtorno de ansiedade e como isso pode implicar em sua vida. Confira!

Episódios de depressão 

Uma das consequências do transtorno de ansiedade não tratado é a evolução para um quadro com episódios de depressão. Nesse caso o indivíduo pode ter crises depressivas após ou em conjunto com as crises de ansiedade. 

Nesse caso pode haver a sensação de impotência diante os sentimentos e sintomas da doença em conjunto com o sentimento de angústia, desespero e falta de perspectiva sobre o futuro. 

Abuso de drogas

Diante os sentimentos incapacitantes, cada vez mais frequentes, do transtorno de ansiedade não tratado, o indivíduo pode vir a abusar de substâncias químicas. Isso porque existe uma necessidade de fugir da realidade angustiante da doença. 

Nesse caso a fuga é ilusória, temporária e intensifica, ainda mais, os sintomas. Por isso, ao invés de melhorar, o indivíduo irá seguir o caminho oposto e agravar ainda mais as crises de ansiedade.

Síndrome do Pânico

A síndrome do pânico também é uma modalidade do transtorno de ansiedade, mas geralmente, a pessoa ansiosa conta com episódios e crises de pânico em algumas situações de muito estresse. 

Nesse caso, a doença não tratada pode evoluir para a síndrome do pânico, onde os indivíduos sofrem crises de ansiedade intensificadas com necessidade de fuga e hipervigilância. 

Tratamento mais intenso 

Uma ansiedade leve pode ser facilmente tratada com psicoterapia, sem o auxílio de medicação. Nesse caso o profissional só encaminha para um psiquiatra quando os sintomas começam a interferir no dia a dia. 

Porém, quanto maior o tempo de espera para procurar ajuda médica, seja através de clínico geral, psicólogos ou psiquiatras, mais a doença pode se agravar. Nesse caso, quanto mais fortes os sintomas e mais frequente as crises, mais intenso será o tratamento. 

Por isso, é importante começar o tratamento para o transtorno de ansiedade o mais rápido possível. Afinal de contas, se a doença evoluir, mais medicamentos deverão ser consumidos pelo paciente. 

No caso da evolução para crises de pânico e episódios depressivos, por exemplo, além dos remédios para ansiedade, o indivíduo deverá tomar medicações para depressão, dependendo do caso. 

Doenças cardíacas 

Outra consequência do transtorno de ansiedade não tratado é a possibilidade do aparecimento de problemas cardíacos. Isso porque o corpo libera alguns químicos quando em crise que podem agredir o coração. 

Além disso, dependendo do nível da ansiedade, as pessoas acometidas pela doença podem sofrer com frequentes arritmias cardíacas que danificam a musculatura do órgão e prejudicam seu funcionamento. 

Distúrbios do sono 

Um dos sintomas do transtorno de ansiedade é a insônia, ou seja, dificuldade ou incapacidade de dormir e descansar o tempo necessário. Nesse caso, se o distúrbio de saúde mental não for tratado, esses problemas podem se intensificar. 

A privação de sono piora a condição da pessoa acometida pela doença. Contudo, a insônia é um dos sintomas do transtorno, sendo assim, o atraso no tratamento médico pode gerar uma condição de piora progressiva. 

Nervosismo sintomas

Um dos problemas que podem ser ocasionados pela ansiedade são as crises nervosas. Essas crises podem surgir decorrentes de problemas nos relacionamentos interpessoais, estresse no trabalho, privação do sono ou crises recorrentes de ansiedade.

Por isso, as pessoas com ansiedade devem compreender esse problema e saber como lidar durante um episódio nervoso. Entenda melhor a seguir.

O que desencadeia uma crise nervosa

A crise nervosa, que pode ser decorrente da ansiedade, surge a partir de um descontrole emocional e não conta, necessariamente, como uma patologia ou distúrbio de saúde mental. 

Os episódios podem acontecer em qualquer momento da vida e, geralmente, se refere às dificuldades que o indivíduo enfrenta em sua vida pessoal, profissional ou no ambiente familiar. 

Dessa forma, para que a crise aconteça, geralmente a pessoa está com esgotamento emocional, o que a deixa com os nervos à flor da pele. Contudo, esses episódios também podem estar relacionados a alguns transtornos psicológicos. 

Nesse caso, o transtorno de ansiedade e o estresse pós-traumático podem desencadear o esgotamento emocional e o início de uma crise nervosa. Por isso, o tratamento desses distúrbios de saúde mental são essenciais para cessar esses episódios. 

Sintomas da crise nervosa

Uma crise nervosa, que pode ser decorrente da ansiedade, costuma apresentar sintomas físicos e, principalmente, emocionais. Esses sintomas são diferentes de uma crise de ansiedade. Confira!

  • Irritabilidade;
  • Crises de choro;
  • Fadiga; 
  • Acessos de raiva;
  • Episódios violentos.

Além disso, o indivíduo em crise apresenta sudorese, desmotivação e tem altas chances de fazer o uso excessivo de drogas na tentativa de alterar o estado de espírito e escapar da realidade estressante. 

Como se comportar durante uma crise 

Durante uma crise nervosa, a pessoa acometida pelo episódio pode ficar agressiva, violenta e perder completamente o controle emocional. Dessa forma, uma das principais dicas para esses momentos é evitar o contato com as pessoas. 

Isso porque como o indivíduo está com descontrole emocional, ele pode agredir física e verbalmente alguém próximo. Por isso, o melhor é se isolar até a crise passar ou manter o contato com o mínimo de pessoas. 

Uma das maneiras mais eficazes de passar por uma crise nervosa é utilizar a respiração. Para isso, uma contagem escalada pode ajudar. Dessa forma a pessoa conta até 6 enquanto inspira pelo nariz e conta até 4 enquanto expira. 

O controle da respiração é uma das técnicas mais eficazes para reaver o controle emocional e dissipar o estresse e a raiva excessiva. Por isso, é uma técnica válida para superar a crise.

Por que procurar ajuda médica? 

Qualquer pessoa pode sofrer uma crise nervosa. Porém, pessoas que sofrem com o transtorno de ansiedade possuem mais chances de sofrerem os episódios de nervosismo e com maior frequência. 

Por isso, é de extrema importância procurar ajuda médica. Nesses casos, o auxílio clínico pode, inclusive, identificar o distúrbio de saúde mental e encaminhar o indivíduo para um psiquiatra. 

Dessa forma, a crise nervosa serve como alerta e pode ser o pontapé inicial para a descoberta do transtorno de ansiedade. Se sofrer com descontrole emocional com frequência, procure um especialista. 

Dicas para evitar a crise de ansiedade 

As crises de ansiedade podem surgir decorrentes de diversos fatores. Dentre eles, gatilhos específicos, lembrança de eventos traumáticos, situações de estresse e muito mais. Porém, é possível tomar algumas atitudes para evitar a frequência das crises de ansiedade. 

Essas atitudes também servem para evitar o desencadeamento da doença. Contudo, para tratar, somente com auxílio médico. Nenhuma dessas dicas substitui o acompanhamento de uma especialista. Confira!

Faça psicoterapia

O acompanhamento com um psicólogo para tratar o transtorno de ansiedade é fundamental para o sucesso do tratamento. Além disso, a terapia favorece o desenvolvimento e autoconhecimento de qualquer pessoa independente da condição. 

Por isso, é indicada para todas as idades com ou sem transtornos psicológicos. Entretanto, para os indivíduos com crises de ansiedade, o tratamento com um psicólogo pode potencializar o tratamento médico. 

Se exercite 

É comprovado cientificamente alguns benefícios do exercício físico sobre o estresse. Dessa forma, se exercitar é uma excelente maneira de reduzir os níveis de cortisol do sangue, hormônio responsável pelo estresse. 

Além disso, não se faz necessário praticar esportes intensos ou que a atividade física dure horas. Muito pelo contrário, com apenas 30 minutos por dia, já é comprovada a eficácia sobre a saúde emocional, psicológica e física. 

Uma boa ideia é praticar atividades que causem prazer a pessoa com ansiedade. Essas atividades podem ser dança, artes marciais, natação, musculação, caminhada e muito mais. Nesse momento cabe a imaginação e a escolha de cada pessoa. 

Dê um tempo 

O estresse do dia a dia pode desencadear crises de ansiedade, nesse caso, o ideal é dar um tempo da rotina corrida. Esse tempo não precisa ser de um dia inteiro, para isso, não se faz necessário faltar aos compromissos ou algo do tipo. 

O ideal é que o indivíduo tire um tempo para praticar o autocuidado e atividades que o relaxem. Dessa forma, 30 minutos por dia são suficientes para um banho relaxante, uma automassagem, ler um capítulo de um livro ou algo do tipo. 

O ideal é não deixar a rotina tirar o sabor da vida e preservar alguns minutinhos para se cuidar, se mimar e se amar. Além disso, o mais importante, tirar um tempo para relaxar e aproveitar a própria companhia. 

Medite 

A meditação é uma excelente prática. A atividade já comprovou diversos benefícios para a saúde emocional e psicológica. Por isso, praticar meditação pode trazer diversos benefícios para a vida da pessoa com ansiedade. 

Porém, o maior benefício, é o controle emocional e a diminuição do estresse, grande fator para desencadear crises de ansiedade. Para isso, basta reservar alguns minutos do dia para praticar a meditação. 

Existem várias maneiras de meditar, mas a mais conhecida e eficaz para a ansiedade é sentar em um local silencioso e se concentrar apenas no som da própria respiração. Para isso, é possível observar o movimento do diafragma, os pulmões enchendo de ar e depois esvaziando. 

No começo pode ser difícil silenciar a própria mente e os sons externos para aumentar o foco e esvaziar a mente. Porém, com o tempo, a tendência é que se torne cada vez mais fácil. 

Descanse

Oura dica para evitar a ansiedade é apostar em uma boa noite de sono. Contudo, a insônia pode ser um dos sintomas da ansiedade, o que tende a dificultar os momentos de descanso. 

Porém, existem algumas técnicas para tentar diminuir a dificuldade em dormir e melhorar a qualidade do sono. Confira as dicas a seguir. 

  • Evite celular e televisão por, pelo menos, 30 minutos antes de dormir;
  • Se alimente de coisas leves uma hora antes de dormir;
  • Tome um chá com propriedades calmantes na hora de deitar; 
  • Evite bebidas cafeinadas por, pelo menos, 3 horas antes de dormir; 
  • Prepare um ambiente confortável e com pouca luz, se deite e aposte em exercícios de respiração antes de dormir. 

Além disso, é importante se preocupar com vestir uma roupa confortável e pegar as cobertas necessárias, para que não haja a necessidade de se levantar posteriormente e espantar o sono. 

Contudo, se a dificuldade de dormir for muito limitante e a privação do sono gerar outros sintomas, um médico deverá ser consultado. 

Utilize música para relaxar 

Escutar músicas pode ser uma atividade prazerosa que contribui para o relaxamento. Além disso, diminui os níveis de estresse e, como resultado, pode ajudar a prevenir as crises de ansiedade. 

Por isso, separar um tempo para ouvir músicas, principalmente relaxantes, é uma boa ideia na hora de auxiliar o tratamento contra o transtorno de ansiedade e, de quebra, proporcionar momentos de prazer e tranquilidade ao ouvinte. 

Dúvidas sobre a ansiedade 

Os distúrbios de saúde mental estão entre os mais comuns neste século, sobretudo o transtorno de ansiedade e a depressão. Entretanto, ainda existe muita desinformação sobre o tema e diversas dúvidas. 

Por isso, separamos algumas perguntas e respostas sobre a ansiedade. Entenda melhor sobre o tema e confira as questões a seguir. 

Quem tem ansiedade pode enlouquecer? 

Uma das dúvidas mais frequentes sobre distúrbios mentais, incluindo o transtorno de ansiedade, é sobre as possibilidades da pessoa acometida pela doença enlouquecer com o tempo. 

Apesar de um dos sintomas da crise de ansiedade se tratar do medo de perder o controle e a sanidade mental, isso não acontece. Pessoas com ansiedade possuem o funcionamento das faculdades mentais. Dessa forma, a possibilidade de enlouquecer é nula. 

Tomar remédios psiquiátricos pode enlouquecer? 

Um medo recorrente entres as pessoas que precisam fazer uso de medicação controlada se refere a possibilidade de danos neurológicos causados pelos remédios de ansiedade ou depressão. 

Contudo, se isso fosse possível essas medicações não seriam aprovadas pela ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Por isso, esse medo não condiz com a realidade do tratamento de distúrbios de saúde mental. 

O uso da medicação não tem o intuito de piorar o paciente, mas de melhorar. Por isso, é importante manter a frequência das consultas médicas, regular a dose se necessário e informar todo e qualquer efeito colateral ao médico responsável. 

Posso me curar sozinho? 

Existem casos leves de ansiedade que podem ser curados através da psicoterapia, sem o auxílio de medicamentos. Também existem pessoas que conseguiram reverter o quadro através de tratamentos alternativos. 

Contudo, esses casos são a exceção e não a regra. A verdade é que quanto mais o indivíduo demorar para procurar ajuda médica e iniciar o tratamento, mais os sintomas irão se intensificar e mais frequentes as crises irão acontecer. 

Porém, através do tratamento médico é possível controlar os sintomas, reduzir as crises de ansiedade e levar uma vida normal. Dependendo do distúrbio, é possível até mesmo a reversão do quadro e melhora definitiva através do tratamento médico. 

Terapias alternativas funcionam? 

A grande maioria das terapias alternativas não contam com comprovação científica de sua eficácia. Dessa forma, existem pessoas que dizem que funciona e outras que discordam completamente. 

Contudo, o grande feito desse tratamento é o efeito individual que ele causa sobre o psicológico de cada pessoa. Por isso, não substituem o tratamento médico, mas podem ajudar a potencializar seus efeitos. 

As terapias podem ser diversas. Através de crença religiosa, ervas, incensos, atividades específicas e muito mais. O importante é que o indivíduo se sinta bem praticando essa modalidade de cura. 

Como escolher um terapeuta?

A escolha de um terapeuta para tratar as crises de ansiedade ou para qualquer outro fim é bem particular. Porém, pode gerar dúvidas em algumas pessoas que querem encontrar o profissional ideal. 

Existem diversos métodos de terapia, alguns profissionais escutam, outros perguntam e outros aconselham. Existem ainda aqueles que identificam o perfil do paciente e decidem qual método usar. 

O ideal é procurar um profissional com o qual a pessoa se sinta à vontade e perceba progresso com o passar das sessões, lembrando que o progresso não depende somente do profissional. 

Uma boa ideia é ir ao terapeuta indicado por alguém conhecido, mas mesmo assim corre o risco de não ser o ideal para a pessoa em questão. A única forma de escolher é procurando, frequentando e tentando. 

Existem testes que diagnosticam ansiedade?

Existem diversos testes que podem auxiliar no diagnóstico do transtorno de ansiedade. Porém, para isso se faz necessário o auxílio de um médico, até porque, existem diversos tipos de ansiedade. 

Na internet ainda é possível localizar alguns testes online. Contudo, eles são válidos para identificar quantos sintomas a pessoa possui, mas não servem para fazer o diagnóstico do distúrbio de saúde mental. 

Para isso se faz necessário a consulta com um psiquiatra, médico especializado no assunto, que poderá realizar os testes necessários, solicitar os exames precisos e indicar as melhores medicações. 

O psicólogo também pode auxiliar  no diagnóstico do transtorno de ansiedade, mas ele em si, não determina a doença. Como possui conhecimentos sobre os sintomas, pode identificar o caso e indicar um psiquiatra. 

Transtorno de ansiedade é grave? 

O transtorno de ansiedade é um distúrbio de saúde mental que categoriza uma lista de transtornos psicológicos que podem se tornar graves. Isso porque com o não tratamento da doença, a ansiedade pode ser incapacitante. 

Dessa forma, se faz necessário consultar um médico ao sinal de mau estar decorrente de ansiedade, medo e preocupações em excesso. Principalmente se forem desproporcionais ao ocorrido ou sem razão aparente. 

Nesses casos a pessoa acometida de crises de ansiedade deve consultar um médico e iniciar o tratamento, de preferência em conjunto com a psicoterapia. Só assim será possível determinar a extensão do problema, os motivos e a solução. 

VEJA TAMBÉM: Candidíase: O que é, sintomas, causas e tratamentos

 

Deixe seu Comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Talvez Você se Interesse

- Publicidade -