HomeCriptomoedasValor do Bitcoin: Quanto custa?

Valor do Bitcoin: Quanto custa?

-


As criptomoedas estão crescendo e ganhando cada vez mais valor em todo mundo. Virando um verdadeiro mercado de investimentos, onde as pessoas buscam conseguir altos lucros com a compra e venda das criptomoedas. E tudo isso começou com a atual mais valorizada moeda digital do mundo, o Bitcoin.

Você certamente já ouviu falar dela, mesmo que não saiba ao certo do que se trata. Portanto, vamos agora ver tudo sobre criptomoedas e te ensinar como investir, inclusive no próprio Bitcoin. Veja agora tudo sobre o Bitcoin, passando por todos os pontos sobre ele e o mundo das criptomedas.

O que é Bitcoin e criptomoeda?

- Continua Depois da Publicidade -

Criptomoedas, ou moedas virtuais, são meios digitais de troca criados e usados ​​por indivíduos ou grupos privados.

Como a maioria das criptomoedas não é regulamentada pelos governos nacionais, elas são consideradas moedas alternativas, meios de troca financeira que existem fora dos limites da política monetária estadual.

E o Bitcoin (BTC)  é a criptomoeda proeminente e a primeira a ser amplamente utilizada. No entanto, existem centenas de criptomoedas e mais surgem a cada mês.

As criptomoedas não Bitcoin são conhecidas coletivamente como “altcoins” para distingui-las do original.

Bitcoin e o boom moderno da criptomoeda

Bitcoin é amplamente considerado como a primeira criptomoeda moderna – o primeiro meio de troca usado publicamente para combinar controle descentralizado, anonimato do usuário, manutenção de registros via blockchain e escassez embutida.

Ele foi delineado pela primeira vez em um white paper de 2008 publicado por Satoshi Nakamoto, uma pessoa ou grupo com pseudônimo.

No início de 2009, Nakamoto lançou Bitcoin para o público, e um grupo de apoiadores entusiasmados começou a trocar e minerar a moeda.

No final de 2010, o primeiro do que viria a ser dezenas de criptomoedas semelhantes – incluindo alternativas populares como Litecoin – começou a aparecer. As primeiras trocas públicas de Bitcoins também apareceram nessa época.

- Continua Depois da Publicidade -

No final de 2012, o WordPress se tornou o primeiro grande comerciante a aceitar pagamentos em Bitcoin. Outros, incluindo o varejista de eletrônicos online Newegg.com , Expedia, Microsoft e Tesla os seguiram.

Inúmeros comerciantes agora veem a criptomoeda mais popular do mundo como um método de pagamento legítimo.

Embora poucas criptomoedas além do Bitcoin sejam amplamente aceitas para pagamentos de comerciantes, as trocas cada vez mais ativas permitem que os detentores os troquem por Bitcoins ou moedas fiduciárias – proporcionando liquidez e flexibilidade essenciais.

Desde o final da década de 2010, grandes empresas e investidores institucionais também observaram de perto o que eles chamam de “espaço criptográfico”.

Atualmente, esse mercado cresceu tanto que até mesmo os clubes de futebol estão investindo em suas próprias criptomedas, como é o caso do PSG na Europa e do Corinthians no Brasil.

Bitcoin, Criptomoeda, Cripto, Blockchain, Moeda
Bitcoin: A principal moeda digital

Quanto custa o Bitcoin?

O preço das criptomedas é bastante volátil e passa por altas e quedas diárias. No entando, o Bitcoin é a principal e mais valorizada, estando quase sempre estável ou em alta.

Assim, o valor médio de 1 Bitcoin em reais hoje, é de aproximadamente 275 mil reais. Isso mesmo, você não leu errado.

- Continua Depois da Publicidade -

Por esse motivo o mercado de Bitcoins vem se tornando cada vez maior no mundo. Portanto, para quem busca investir ou entender melhor o que é esse mercado, vamos mostrar todos os detalhes sobre sua segurança e formas de funcionamento.

Bitcoin: Uma introdução à criptografia

Funcionalmente, a maioria das criptomoedas são variações do Bitcoin, a primeira criptomoeda amplamente usada.

Como as moedas tradicionais, as criptomoedas expressam o valor em unidades – por exemplo, você pode dizer “Tenho 2,5 Bitcoin”, da mesma forma que diria “Tenho R$ 2,50”.

Devido à sua independência política e segurança de dados essencialmente impenetrável, os usuários de criptomoedas desfrutam de benefícios não disponíveis aos usuários de moedas fiduciárias tradicionais, como o dólar americano e os sistemas financeiros que essas moedas suportam.

Por exemplo, enquanto um governo pode facilmente congelar ou até confiscar uma conta bancária localizada em sua jurisdição, é muito difícil para ele fazer o mesmo com fundos mantidos em criptomoedas – mesmo se o titular for um cidadão ou residente legal.

Por outro lado, as criptomoedas apresentam uma série de riscos e desvantagens, como iliquidez e volatilidade do valor, que não afetam muitas moedas fiduciárias.

Além disso, as criptomoedas são frequentemente usadas para facilitar as transações no mercado cinza e negro, de modo que muitos países as vêem com desconfiança ou animosidade total.

E enquanto os proponentes apregoam as criptomoedas como investimentos alternativos potencialmente lucrativos, poucos profissionais financeiros sérios veem a maioria das moedas – com a importante exceção do Bitcoin e alguns outros – como adequadas para qualquer coisa que não seja pura especulação.

Dica profissional: você está planejando começar a investir em Bitcoin ou outra criptomoeda? A Coinbase e a Binnance são algumas das maiores plataformas de compra e venda de Bitcoins e muitos outros altcoins.

Criptomoeda, Cripto, Bitcoin, Blockchain
Criptomoedas: Bitcoin e seu funcionamento em rede

Como funcionam as criptomoedas

É verdade que os códigos-fonte e os controles técnicos que suportam e protegem as criptomoedas são altamente complexos. No entanto, os leigos são mais do que capazes de compreender os conceitos básicos e se tornarem usuários de criptomoedas informados.

Vários conceitos governam os valores, segurança e integridade das criptomoedas.

Criptografia

As criptomoedas usam protocolos criptográficos ou sistemas de código extremamente complexos que criptografam transferências de dados confidenciais para proteger suas unidades de troca.

Os desenvolvedores de criptomoedas constroem esses protocolos com base em matemática avançada e princípios de engenharia da computação que os tornam virtualmente impossíveis de quebrar e, portanto, de duplicar ou falsificar as moedas protegidas.

Esses protocolos também mascaram as identidades dos usuários de criptomoedas, tornando as transações e os fluxos de fundos difíceis de atribuir a indivíduos ou grupos específicos.

Tecnologia Blockchain

O blockchain de uma criptomoeda  é o livro-razão público mestre que registra e armazena todas as transações e atividades anteriores, validando a propriedade de todas as unidades da moeda em qualquer momento.

Como o registro de todo o histórico de transações de uma criptomoeda até o momento, um blockchain tem um comprimento finito – contendo um número finito de transações – que aumenta com o tempo.

Cópias idênticas do blockchain são armazenadas em cada nó da rede de software da criptomoeda – a rede de farms de servidores descentralizados, administrada por indivíduos experientes em computador ou grupos de indivíduos conhecidos como mineradores, que registram e autenticam continuamente as transações de criptomoedas.

Uma transação de criptomoeda tecnicamente não é finalizada até que seja adicionada ao blockchain, o que geralmente ocorre em minutos. Depois que a transação é finalizada, geralmente é irreversível.

Ao contrário dos processadores de pagamento tradicionais, como PayPal e cartões de crédito, a maioria das criptomoedas não possui funções de reembolso ou estorno integradas, embora algumas criptomoedas mais novas tenham recursos de reembolso rudimentares.

Durante o intervalo de tempo entre o início e a finalização da transação, as unidades não estão disponíveis para uso por nenhuma das partes. Em vez disso, eles são mantidos em uma espécie de depósito – limbo, para todos os efeitos.

O blockchain, portanto, evita gastos duplos ou a manipulação de código de criptomoeda para permitir que as mesmas unidades monetárias sejam duplicadas e enviadas a vários destinatários.

Controle Descentralizado

Inerente à tecnologia blockchain está o princípio do controle descentralizado.

O fornecimento e o valor das criptomoedas são controlados pelas atividades de seus usuários e por protocolos altamente complexos embutidos em seus códigos de governo, e não por decisões conscientes de bancos centrais ou outras autoridades regulatórias.

Em particular, as atividades dos mineiros – usuários de criptomoedas que utilizam grande capacidade de computação para registrar transações, recebendo unidades de criptomoedas recém-criadas e taxas de transação pagas por outros usuários em troca – são críticas para a estabilidade e funcionamento regular das moedas.

Bitcoin, Logotipo, Moeda, Dinheiro, Troca, Pagar
Bitcoin: Logo

Chaves Privadas

Cada detentor de criptomoeda tem uma chave privada que autentica sua identidade e permite a troca de unidades. Os usuários podem criar suas próprias chaves privadas, que são formatadas como números inteiros de até 78 dígitos, ou usar um gerador de números aleatórios para criar uma.

Assim que tiverem uma chave, eles podem obter e gastar a criptomoeda. Sem a chave, o detentor não pode gastar ou converter sua criptomoeda – tornando seus bens inúteis, a menos e até que a chave seja recuperada.

Embora seja um recurso de segurança crítico que reduz o roubo e o uso não autorizado, também é draconiano. Perder sua chave privada é o equivalente a um ativo digital de jogar um maço de dinheiro em um incinerador de lixo.

Embora você possa criar outra chave privada e começar a acumular criptomoedas novamente, não é possível recuperar os acervos protegidos por sua chave antiga perdida.

Usuários experientes de criptomoeda são, portanto, loucamente protetores de suas chaves privadas, normalmente armazenando-as em vários locais digitais – embora geralmente não conectados à Internet, para fins de segurança – e em papel ou em outra forma física.

Carteiras de criptomoeda

Os usuários de criptomoedas têm carteiras com informações exclusivas que os confirmam como proprietários de suas unidades.

Enquanto as chaves privadas confirmam a autenticidade de uma transação de criptomoeda, as carteiras diminuem o risco de roubo de unidades que não estão sendo usadas.

As carteiras usadas por trocas de criptomoedas são um tanto vulneráveis ​​a hackers. Por exemplo, a Mt. Gox, empresa de troca de Bitcoin com sede no Japão, fechou e declarou falência alguns anos atrás, depois que hackers a aliviaram sistematicamente de mais de US $ 450 milhões em Bitcoin trocados em seus servidores.

As carteiras podem ser armazenadas na nuvem, em um disco rígido interno ou em um dispositivo de armazenamento externo. Independentemente de como uma carteira é armazenada, pelo menos um backup é altamente recomendado.

Observe que o backup de uma carteira não duplica as unidades reais de criptomoeda, apenas o registro de sua existência e propriedade atual.

Bitcoin, Criptomoeda, Finança, Moeda, Tecnologia
Bitcoin, Criptomoeda, Finança, Moeda, Tecnologia

Mineiros de Bitcoins e outras criptomoedas

Os mineiros atuam como mantenedores de registros para as comunidades de criptomoedas e árbitros indiretos do valor das moedas.

Usando uma grande quantidade de poder de computação, muitas vezes manifestada em fazendas de servidores privadas pertencentes a grupos de mineração que compreendem dezenas de indivíduos, as mineradoras usam métodos altamente técnicos para verificar a integridade, precisão e segurança de blockchains de moedas.

O escopo da operação não é diferente da busca por novos números primos, que também requer uma enorme capacidade de computação.

O trabalho dos mineiros cria periodicamente novas cópias do blockchain, adicionando transações recentes, anteriormente não verificadas, que não foram incluídas em nenhuma cópia do blockchain anterior – completando efetivamente essas transações.

Cada adição é conhecida como bloco. Os blocos consistem em todas as transações executadas desde a criação da última nova cópia do blockchain.

O termo “mineiros” está relacionado ao fato de que o trabalho dos mineiros literalmente cria riqueza na forma de unidades de criptomoeda totalmente novas.

Na verdade, cada cópia do blockchain recém-criada vem com uma recompensa monetária de duas partes: um número fixo de unidades de criptomoeda recém-cunhadas (“mineradas”) e um número variável de unidades existentes coletadas de taxas de transação opcionais – normalmente menos de 1% de o valor da transação – pago pelos compradores.

Vale a pena notar:

A mineração de criptomoedas era um negócio paralelo potencialmente lucrativo para aqueles com recursos para investir em operações de mineração com uso intensivo de energia e hardware.

Hoje, é impraticável para amadores sem milhares de dólares investir em equipamentos de mineração de nível profissional. Se seu objetivo é simplesmente complementar sua renda regular, muitos trabalhos autônomos oferecem melhores retornos.

Embora as taxas de transação não sejam acumuladas para os vendedores, os mineiros têm permissão para priorizar as transações com taxas antes das transações sem taxas ao criar novos blocos, mesmo que as transações sem taxas ocorram primeiro.

Isso dá aos vendedores um incentivo para cobrar taxas de transação, uma vez que são pagos mais rapidamente ao fazer isso e, portanto, é bastante comum que as transações de criptomoeda venham com taxas.

Embora seja teoricamente possível que as transações não verificadas anteriormente de uma nova cópia do blockchain sejam totalmente gratuitas, isso quase nunca acontece na prática.

Por meio de instruções em seus códigos-fonte, as criptomoedas se ajustam automaticamente à quantidade de poder de mineração trabalhando para criar novas cópias de blockchain – as cópias se tornam mais difíceis de criar conforme o poder de mineração aumenta e mais fáceis de criar conforme o poder de mineração diminui.

O objetivo é manter o intervalo médio entre as novas criações de blockchain estável em um nível predeterminado. O Bitcoin é de 10 minutos, por exemplo.

Fornecimento Finito

Embora a mineração produza periodicamente novas unidades de criptomoeda, a maioria das criptomoedas é projetada para ter um suprimento finito – um importante fiador de valor.

Geralmente, isso significa que os mineiros recebem menos unidades novas por novo bloco com o passar do tempo. Eventualmente, os mineiros receberão apenas taxas de transação pelo seu trabalho, embora isso ainda não aconteça na prática e possa não acontecer por algum tempo.

Se as tendências atuais continuarem, os observadores prevêem que a última unidade de Bitcoin será minerada em meados do século 22, por exemplo – não exatamente ao virar da esquina.

O suprimento finito das criptomoedas as torna inerentemente deflacionárias, mais semelhantes ao ouro e outros metais preciosos – dos quais há suprimentos finitos – do que às moedas fiduciárias das quais os bancos centrais podem, em teoria, produzir suprimentos ilimitados.

Trocas de Bitcoin e criptomoedas

Muitas criptomoedas menos usadas só podem ser trocadas por meio de transferências ponto a ponto privadas, o que significa que não são muito líquidas e são difíceis de avaliar em relação a outras moedas – cripto e fiduciária.

As criptomoedas mais populares, como Bitcoin e Ripple, são negociadas em bolsas secundárias especiais semelhantes às bolsas de câmbio por moedas fiduciárias. (O extinto Mt. Gox é um exemplo de troca.)

Essas plataformas permitem que os detentores troquem suas participações em criptomoedas por moedas fiduciárias importantes, como o dólar americano e o euro, e por outras criptomoedas, incluindo moedas menos populares.

Em troca de seus serviços, eles recebem uma pequena parte do valor de cada transação – geralmente menos de 1%.

É importante ressaltar que as criptomoedas podem ser trocadas por moedas fiduciárias em mercados online especiais, o que significa que cada uma tem uma taxa de câmbio variável com as principais moedas mundiais, como dólar americano, libra esterlina, euro europeu e iene japonês.

As trocas de criptomoedas desempenham um papel valioso na criação de mercados líquidos para criptomoedas populares e na definição de seu valor em relação às moedas tradicionais. Você pode até negociar derivados de criptomoeda em certas bolsas de criptografia ou rastrear carteiras de criptomoedas de base ampla em índices de criptografia.

No entanto, os preços de câmbio ainda podem ser extremamente voláteis. Por exemplo, a taxa de câmbio do Bitcoin em dólares americanos caiu mais de 50% na esteira do colapso do Monte Gox, e aumentou quase dez vezes durante 2017, conforme a demanda por criptomoeda explodiu.

E as trocas de criptomoedas são um tanto vulneráveis ​​a hackers, representando o local mais comum para roubo de moeda digital por hackers e cibercriminosos como os responsáveis ​​por derrubar a Mt. Gox, uma das maiores empresas de troca de Bitcoins do mundo.

Bitcoin e outras criptomoedas

O uso de criptomoedas explodiu desde o lançamento do Bitcoin.

Embora os números exatos da moeda ativa flutuem e os valores das moedas individuais sejam altamente voláteis, o valor de mercado geral de todas as criptomoedas ativas geralmente apresenta tendência de alta. A qualquer momento, centenas de criptomoedas são negociadas ativamente.

As criptomoedas descritas aqui são marcadas por adoção estável, atividade robusta do usuário e capitalização de mercado relativamente alta (mais de US $ 10 milhões, na maioria dos casos, embora as avaliações estejam naturalmente sujeitas a alterações):

Criptomoeda, O Negócio, Finança
Bitcoin e outras moedas digitais

1. Bitcoin

Bitcoin é a criptomoeda mais usada no mundo e geralmente é creditada por trazer o movimento para o mainstream.

Sua capitalização de mercado e valor unitário individual são consistentemente menores (por um fator de 10 ou mais) em relação à próxima criptomoeda mais popular. O Bitcoin tem um limite de fornecimento programado de 21 milhões de Bitcoin.

O Bitcoin é cada vez mais visto como um meio legítimo de troca. Muitas empresas conhecidas aceitam pagamentos de Bitcoin, embora a maioria faça parceria com uma troca para converter Bitcoin em dólares americanos antes de receber seus fundos.

2. Ethereum

Lançado em 2015, o Ethereum (ETH) é a segunda criptomoeda mais popular e, na maioria dos dias, a segunda mais valiosa depois do Bitcoin.

Ethereum faz algumas melhorias notáveis ​​na arquitetura básica do Bitcoin. Em particular, ele utiliza “contratos inteligentes” que impõem a execução de uma determinada transação, obrigam as partes a não renegar seus acordos e contêm mecanismos de reembolso caso uma das partes viole o acordo.

Embora os “contratos inteligentes” representem um movimento importante para lidar com a falta de estornos e reembolsos em criptomoedas, resta saber se eles são suficientes para resolver o problema completamente. Ainda assim, eles são pelo menos parcialmente responsáveis ​​pelo sucesso de Ethereum.

3. Litecoin

Lançado em 2011, Litecoin (LTC)  usa a mesma estrutura básica do Bitcoin. As principais diferenças incluem um limite de fornecimento programado mais alto (84 milhões de unidades) e um tempo de criação de blockchain alvo mais curto (2,5 minutos).

O algoritmo de criptografia também é um pouco diferente. Litecoin é frequentemente a segunda ou terceira criptomoeda mais popular por capitalização de mercado.

4. Ondulação

Lançado em 2012, o Ripple (XRP)  é conhecido por um sistema de “razão de consenso” que acelera drasticamente os tempos de confirmação de transação e criação de blockchain – não há um tempo de destino formal, mas a média é de poucos segundos.

O Ripple também é mais facilmente convertido do que outras criptomoedas com um serviço de câmbio interno que pode converter unidades do Ripple em dólares americanos, ienes, euros e outras moedas comuns.

No entanto, os críticos notaram que a rede e o código do Ripple são mais suscetíveis à manipulação por hackers sofisticados e podem não oferecer as mesmas proteções de anonimato que as criptomoedas derivadas de Bitcoin.

5. Dogecoin

Dogecoin (DOGE) , denotado por seu mascote Shiba Inu imediatamente reconhecível, é uma variação do Litecoin.

Tem um tempo de criação de blockchain mais curto (um minuto) e um número muito maior de moedas em circulação – a meta dos criadores de 100 bilhões de unidades mineradas até julho de 2015 foi atingida e há um limite de fornecimento de 5,2 bilhões de unidades mineradas todos os anos depois disso, sem limite de fornecimento conhecido.

Dogecoin é, portanto, notável como um experimento em “criptomoeda inflacionária”, e os especialistas estão observando de perto para ver como sua trajetória de valor de longo prazo difere daquela de outras criptomoedas.

Leia também: Cotação bitcoin: Dólar, real e valores

6. Coinye

Coinye, uma criptomoeda semi-extinta, merece ser mencionada apenas por sua bizarra história de fundo.

Coinye foi desenvolvido sob o apelido original de “Coinye West” em 2013, e identificado por uma semelhança inconfundível do superstar do hip-hop Kanye West. Pouco antes do lançamento de Coinye, no início de 2014, a equipe jurídica de West soube da existência da moeda e enviou a seus criadores uma carta de cessar e desistir.

Para evitar ação legal, os criadores retiraram “West” do nome, mudaram o logotipo para um “híbrido meio homem, meio peixe” que se assemelha a West – uma referência mordaz a um episódio de “South Park” que zomba do enorme ego de West – e lançou Coinye conforme planejado.

Dado o exagero e o humor irônico em torno de seu lançamento, a moeda atraiu um culto de seguidores entre os entusiastas da criptomoeda. Destemida, a equipe jurídica de West entrou com uma ação, obrigando os criadores a vender suas participações e fechar o site de Coinye.

Embora a rede ponto a ponto de Coinye permaneça ativa e ainda seja tecnicamente possível minerar a moeda, as transferências de pessoa a pessoa e a atividade de mineração entraram em colapso a ponto de Coinye ser basicamente inútil.

Conclusão

A criptomoeda é um conceito empolgante com o poder de alterar fundamentalmente as finanças globais para melhor, principalmente quando falamos dos Bitcoins.

Mas, embora seja baseada em princípios democráticos sólidos, a criptomoeda continua sendo um trabalho tecnológico e prático em andamento. Em um futuro previsível, o quase monopólio dos estados-nação sobre a produção de moeda e política monetária parece seguro.

Nesse ínterim, os usuários de criptomoedas (e não usuários intrigados com a promessa da criptomoeda) precisam estar sempre atentos às limitações práticas do conceito.

Quaisquer alegações de que uma criptomoeda em particular confere anonimato total ou imunidade de responsabilidade legal são dignas de profundo ceticismo, assim como as alegações de que as criptomoedas individuais representam oportunidades de investimento infalíveis ou proteção contra a inflação.

Afinal, elas são frequentemente apontadas como a proteção definitiva contra a inflação, mas ainda está sujeito à grande volatilidade (com exceção do Bitcoin) – mais do que as moedas fiduciárias de muitos países desenvolvidos, como o Dólar, Euro e a Libra.

Leia também: Bitcoin: como entrar no mercado? É seguro investir?

 

Deixe seu Comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Talvez Você se Interesse

- Publicidade -