HomeAutomóveisTabela Fipe: Como fazer a consulta dos valores dos automóveis

Tabela Fipe: Como fazer a consulta dos valores dos automóveis

-

Tabela Fipe. É bem possível que você já tenha ouvido sobre essa tal tabela montada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas na hora de comprar ou vender seu veículo.

Isso porque ela se tornou o parâmetro para o mercado automotivo de quanto os automóveis valorizam ou desvalorizam com o passar dos meses e dos anos.

Ela é tão importante que as montadoras, as grandes e pequenas concessionárias acompanham mensalmente a variação de valores dos veículos em todo o Brasil como parâmetro mínimo para suas transações.

Diante de sua importância, vamos falar um pouco mais sobre como é feita a medição de valorização ou desvalorização de cada veículo, como fazer a consulta dos valores.

História da FIPE

Antes de destacarmos a importância da tabela, vamos saber mais sobre a história da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.

- Continua Depois da Publicidade -

O instituto é um órgão de apoio ao Departamento de Economia da FEA (Faculdade de Economia e Administração) da USP, um dos órgãos mais respeitados do país e de reconhecimento internacional.

Fundado em 1973 como órgão de direito privado, sem fins lucrativos, sua função principal está baseada em apoiar instituições destinadas ao ensino e a pesquisa, além da FEA-USP, sejam públicas ou privadas.

Sua destacada atuação nas áreas do ensino, da pesquisa, dos projetos e do desenvolvimento dos principais indicadores econômicos e financeiros que norteiam as ações do poder público e do mercado de investimentos e ações.

Para apresentar os indicadores, a instituição faz uma análise macro dos fenômenos sociais e econômicos na sociedade e micro nos impactos no bolso do trabalhador com base na teoria mercadológica da Economia.

Com os estudos de campo e os dados fornecidos, o objetivos dos trabalhos é, segundo a própria FIPE:

  • Estimular o debate dos problemas econômicos e sociais do país de forma a ampliar o conhecimento econômico da sociedade;
  • Auxiliar o poder público no ordenamento de contratos para o setor privado e entre seus próprios entes com mais eficiência;
  • Produzir todo o conhecimento de dados e soluções com valor agregado;
  • Dar apoio estratégico na formulação de políticas econômicas e sociais com o objetivo na melhoria do bem estar e da qualidade de vida;
  • Debater os aspectos acerca do crescimento econômico, a necessidade de fortalecer o sistema produtivo, promover a maior competitividade no mercado externo e como eliminar a pobreza e aumentar a distribuição de renda;
  • Fornecer recursos para complementar a formação de profissionais de alto nível com a oferta de cursos de extensão, aperfeiçoamento profissional e pós-graduação.

Dentre as suas principais funções exercidas pelos profissionais mais respeitados do mercado financeiro, a instituição promove debates, simpósios, conferências e estudos que tragam o debate sobre a teoria econômica.

Além disso, promove suporte para os profissionais liberais, as empresas, a administração pública e as outras entidades da sociedade civil continuem aprimorando seus métodos de trabalho.

Índices de medição da FIPE

Como citado acima, para dar norteamento às políticas públicas acerca da economia e da assistência social, a fundação realiza pesquisas de campo de forma a calcular o impacto dos preços de bens de consumo e produtos no bolso das famílias.

- Continua Depois da Publicidade -

Algumas destas pesquisas são realizadas mensalmente ou trimestralmente e seus resultados são apresentados ao público em geral em seu site e nos órgãos de imprensa.

Estes índices são fundamentais para apresentar o panorama do mercado brasileiro e o quanto a nossa renda se comporta em relação ao consumo das famílias brasileiras.

Os principais índices da FIPE são:

IPOP

O índice de preços de obras públicas é calculado em parceria da Fundação com a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo em dados medidos desde os anos 1970.

Divulgado pelo Diário Oficial do Estado, são usados no reajuste da renovação dos contratos de obras públicas celebrados entre o Governo do Estado e a iniciativa privada.

A partir da coleta mensal dos preços de insumos em comparação com os valores de orçamentos disponibilizados pela lei de transferência.

Finalmente, o índice funciona como baliza para o Tribunal de Contas do Estado fiscalizar o cumprimento dos contratos e possíveis superfaturamentos nas obras públicas.

ICS e ICR

O índice de consumo de supermercados (ICS) e índice de consumo de restaurantes (ICR) é desenvolvido em parceria com uma das principais bandeiras de cartão do país, a Alelo, de forma a acompanhar o funcionamento destes estabelecimentos comerciais durante a pandemia de COVID-19.

- Continua Depois da Publicidade -

Para servir como base de dados, inclui-se os dados de consumo dos cartões de vale alimentação e vale refeição da referida administradora, com os dados e valores de consumo e a quantidade de estabelecimentos comerciais em operação durante o período de isolamento.

Os dados pesquisados apresentam variações por regiões geográficas e por estados da federação.

IRI

Os indicadores do registro imobiliário são usados para estímulo do ambiente de negócios, da economia em geral e da sociedade. Esses dados também fazem parte dos indicadores do Banco Mundial, como o Doing Business.

Em nosso país, a FIPE divulga esses dados em parceria com o Registro de Imóveis do Brasil dissecando os registros das transações de imóveis nas capitais, regiões metropolitanas, municípios e estados.

A medição é realizada mensalmente nas 16 principais regiões metropolitanas do Brasil.

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor é considerado um dos mais antigos métodos de cálculo de valores do Brasil. O primeiro registro é de 1939 pela Prefeitura de São Paulo e seu departamento de estatística da Secretaria de Finanças.

Desde então, as medições são realizadas na cidade de São Paulo, a cidade mais importante do país e baliza para o cenário econômico do Brasil.

A partir de 1968, a medição ficou sob responsabilidade da USP e seu Departamento de Economia até 1973, quando a FIPE assumiu essa função e manteve até os dias atuais a medição.

O público de corte do índice são as famílias com renda mensal familiar entre um a 10 salários mínimos e verifica as variações mensais do custo de vida.

São dois tipos de medições apresentadas pelo instituto:

  • O índice mensal;
  • Índice quadrissemanal.

Outros índices que ajudam a balizar a situação econômica do país com a mesma credibilidade dos dados da FIPE são:

  • IGP (Índice Geral de Preços) e o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), medido pela Fundação Getúlio Vargas;
  • INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) e IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Aplicado), do IBGE.

Com esses dados, o mercado consegue perceber o quanto a inflação interfere no curso de vida das famílias e mexe com a economia e os impactos causados pelos preços na ponta da pirâmide social.

As contribuições dadas pelo Instituto de Pesquisas Econômicas são históricas e fazem com que o órgão seja reconhecido no Brasil e no mundo pela qualidade de seus profissionais e pela respeitabilidade adquirida ao longo de seus quase 50 anos.

Muitos índices não são de conhecimento geral das pessoas, mas alguns não saem da economia diária. Além do índice de preços ao consumidor (IPC), a medida utilizada com grande regularidade é a Tabela Fipe. Vamos saber o seu funcionamento.

A Tabela FIPE

As primeiras informações acerca da possibilidade de se medir a variação dos preços de veículos em São Paulo vem do final do século passado, mais precisamente no ano de 1998.

Neste mesmo ano, era contratado como consultor da FIPE o professor de Ciência Política da USP, ex-ministro da Educação e ex-Prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

Haddad trouxe a ideia para o instituto começar a calcular o preço médio dos veículos em circulação no Brasil.

A origem da tabela é curiosa. Por coincidência, o professor tinha amizade com o então diretor da revista Quatro Rodas, o jornalista Eugênio Bucci. 

Sabendo da realidade do setor e convivendo com o mercado de carros, motos, caminhões e afins, Bucci percebia que era necessário ter algum instrumento necessário e confiável relacionado à real valorização de veículos.

Na época, não se tinha nenhuma ferramenta que fosse considerada confiável de forma a servir como um guia para o mercado de automóveis, especialmente os mais usados.

Assim, o objetivo era ajudar compradores e vendedores a saber o quanto o veículo realmente tinha valia de preço.

Eugênio aproveitou a amizade com Haddad para sugerir ao amigo a construção de uma tabela de valores que desse um norte para o mercado.

O ex-prefeito levou essa ideia à FIPE, que se dedicou a construir a tabela que se tornaria desde então a bíblia do mercado automotivo.

E, assim, nascia a famosa e tão importante Tabela FIPE. E não é somente para definir o valor de mercado de carros novos e seminovos.

Para que serve a tabela FIPE

Além de apresentar os valores de venda de automóveis, a tabela é utilizada para ser base na contratação de seguros.

Os dados são informados mensalmente desde janeiro de 2001, completando 20 anos neste ano e definem os preços médios praticados no mercado brasileiro.

Assim, os negociadores e vendedores podem começar a trabalhar com preços que valorizem o bem a ser vendido, não importa se está em bom estado ou não.

Para isso, o índice considera algumas variáveis como:

  • Região de venda;
  • Estado de conservação;
  • Cor do veículo;
  • Acessórios inclusos;
  • Situação juntos aos órgãos de trânsito;
  • Etc.

Como funciona o cálculo da Tabela FIPE

Mesmo sendo reconhecido como a base para definição do preço de um veículo, ainda se tem muitas dúvidas sobre como o cálculo é feito de tal forma a estipular o valor base do carro.

O método pelo qual é definido o índice de preços se inicia com a pesquisa de campo onde são coletados os valores de venda dos veículos em geral, como carros, motos e caminhões novos, seminovos e usados em todo o país.

Após essa coleta, os pesquisadores que participam do estudo fazem o descarte dos valores mais altos encontrados, assim como os valores muito baixos e os preços que tem muita diferença sem explicação.

Após fazer os descartes, todos os valores denominados entram na medição que deverá criar uma média de preços. Com essa média, é possível determinar qual o valor que deverá estar na tabela.

Por ser um índice de atualização mensal, os valores a serem pesquisados devem estar sempre em constante observação pelos técnicos da empresa.

Quem se baseia pela tabela

Estes valores que são calculados e divulgados nos últimos vinte anos moldaram o relacionamento entre as empresas e o cliente final.

É importante que todo o veículo que entra em uma concessionária deva ter o seu valor de mercado informado e definido pela tabela FIPE.

Por isso, todos os lojistas, concessionários, fabricantes e afins se interessam pelos valores contidos na tabela e aplicam ela para definir os seus preços e vender os ativos aos clientes.

Mas o fato de existir não quer dizer que, obrigatoriamente, os vendedores que atuam no mercado devem utilizar os valores contidos no ranking e que a recusa pode implicar em alguma penalidade.

É importante frisar que esse índice é considerado uma referência, mas não uma lei. A gosto do vendedor, ou pela relação de demanda e oferta na região, o lojista pode praticar um preço abaixo da tabela para vender o seu produto.

Não é muito raro encontrarmos no mercado os vendedores avulsos pedirem valores astronômicos para passarem seu carro pra frente, ou até como ação promocional para zerar seus estoques, o funcionamento das promoções onde o usuário pode comprar o veículo com valor abaixo da tabela.

Falamos tanto sobre essa medição dos preços médios dos veículos vendidos em nosso país, os critérios analisados na média dos valores, como os preços altos e baixos devem ser desconsiderados.

Mas não falamos ainda como a FIPE tem acesso a todos os veículos em circulação em nosso país e como dar conta de tanta informação. O segredo está na parceria com as montadoras.

Como o veículo é identificado

Antes da chegada da FIPE neste mercado, era praticamente impossível tentar se saber qual era o preço de mercado de cada modelo, marca e tipo de automóvel em circulação nas ruas e avenidas.

No momento da introdução da Tabela no mercado, a FIPE pensava em como acompanhar os valores sem perder nenhuma oportunidade. Foi preciso entrar em ação e desenvolver uma sólida parceria com as montadoras.

Desde 2001, todo o veículo que sai da montadora direto para a mão do cliente já possui em sua codificação uma sequência de oito caracteres, sendo eles:

  • Seis números;
  • Um traço;
  • e o último dígito.

Como exemplo básico e relevante, vamos considerar um FOX da Volkswagen que está à venda no mercado.

Para cada modelo, um número diferente. Temos dois modelos do automóvel que foi líder de vendas por longos anos.

Hipoteticamente, temos os seguintes veículos FOX da Volkswagen:

  • Duas portas, motor 1.6 a gasolina e 16V;
  • Quatro portas, motor 1.0 dual flex e 8V.

Como saber o quanto valeu cada um destes carros? Através do código FIPE, é possível fazer o controle de todos os preços de compra e venda em todo o Brasil.

A cada vez em que uma transação é realizada com sucesso, a instituição recebe os dados do veículo através do seu código e o valor investido. Sendo assim, o órgão é capaz de fazer a medição da média de valores.

Toda e qualquer transação de compra e venda é informada ao órgão para formular a média de valores dos veículos.

Neste caso em especial, os códigos dos carros são 005687-8 e 006712-4, respectivamente como números fictícios.

Como fazer a consulta dos valores na Tabela FIPE

Agora que sabemos como surgiu a tabela, a sua funcionalidade e como a instituição faz o acompanhamento e calcula a média dos valores vendidos, é hora de sabermos como podemos consultar os valores de venda dos automóveis no Brasil.

Apesar de vários sites citarem que podem ser fontes de consulta do índice da FIPE, a forma mais confiável é acessar diretamente do site da fundação.

No site, o usuário deve procurar o índice de veículos onde é possível fazer três consultas:

Vamos utilizar com exemplo prático o Fox que descrevemos acima. Para saber o seu valor médio de venda, o indivíduo deve ir na parte de consulta de carros e utilitários pequenos.

Após isso, o usuário pode escolher entre duas opções: “Pesquisa comum” e “Pesquisa por código Fipe”. Como já sabemos o código, fica mais fácil pesquisar.

Mas se não souber onde encontrar o tal código, a solução é partir para a pesquisa comum.

Dentro da modalidade em questão, a pessoa deverá preencher alguns dados, a saber:

  • Mês de pesquisa, por conta da Tabela FIPE ser atualizada mensalmente;
  • Marca do veículo;
  • Modelo do carro;
  • Ano-modelo.

Com todos os dados, é só clicar em pesquisar e os dados serão exibidos logo abaixo. Então, é possível descobrir que o valor médio de um FOX é de R$ 27 mil.

Hoje, a pesquisa pode ser feita tanto pelo site quanto pelo aplicativo de consulta FIPE, onde os dados econômicos são disponibilizados em tempo real. Você pode encontrar o aplicativo direto nas lojas oficiais, como o Google Play e App Store.

Como influencia no preço dos seguros

Não é somente no âmbito do preço dos veículos que a tabela influencia consideravelmente. Uma das consequências está na forma como os seguros pagam os seus clientes que tiveram os carros roubados.

Por convenção, as seguradoras pesquisam os valores médios dos automóveis para saber o valor de IPVA e da indenização que deverá ser pago em casos de sinistro ou de perda total do veículo por conta de acidente.

Mesmo assim, ainda tem muitos indivíduos que acreditam que irão receber o valor total do carro caso eles os percam, o que não é verdade.

O valor da indenização é calculado de acordo com o que está no contrato com o cliente e utiliza o valor da Tabela FIPE de base.

A depender do que está controlado, pode ser indenizado o condutor com 80%, até 100% do valor médio medido pelo instituto.

Finalmente, vimos o quanto importante a Tabela FIPE se tornou no mercado de carros, caminhões e motos com a descrição dos valores médios para organizar a vida de todos os lojistas, concessionários e pessoas privadas.

É claro que não é obrigatório a adesão, mas utilizar um recurso tão difundido e já respeitado pode gerar mais autoridade ao vendedor no trabalho de oferecer um preço mais justo e de acordo com o praticado na vida real.

Mais importante de tudo é entender como tudo funciona de maneira organizada e baseada em dados estatísticos e financeiros, como forma de regular o funcionamento deste mercado tão importante como o de automóveis.

Para você que deseja comprar seu carro em breve, não se esqueça de dar uma olhada na Tabela e saber se o valor vale a pena ou não passa de uma furada.

Até a próxima!

VEJA TAMBÉM: Consulta CNPJ: como fazer, importância e passo a passo

Deixe seu Comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Talvez Você se Interesse

- Publicidade -